Advento: tempo de preparar a festa da vida!

Tudo requer preparo. Toda preparação envolve espera. São  Tantas as esperas da vida humana! Somos feitos disto: desejo, súplica, anseio, esperança.  No fundo, no fundo, temos uma lacuna que  nos faz gemer para o Eterno pedindo ajuda: “ Vem, Senhor, nos salvar!  Vem sem demora, nos dar a Paz!” É assim  mesmo este tempo que se aproxima. Tudo vibra dentro de nós e ao nosso redor.

Que significado tem para nós,  cristãos, o tempo litúrgico do advento?  O  Advento, período litúrgico cujo objetivo  é  reacender no mundo a esperança e a mística do Reino de Deus. Para a Bíblia, a esperança não é uma projeção para o futuro. Ao contrário, significa  viver aqui e agora, como por antecipação, o futuro que desejamos para o mundo. A esperança alimentada pela espiritualidade do Advento nos prepara  para celebrar a festa da vida  e, nos  insere no coração da realidade para transformá-la à medida que trabalha para transformar  o mais íntimo de cada ser humano. Assim, nos  ensina a conviver  com os nossos conflitos interiores e nossas limitações.  Se algum dia, estes foram fonte de divisão conosco mesmos e com os outros,  a espiritualidade  nos faz  assumi-los e transformá-los em instrumentos de integração interior a partir dos quais somos  cada vez mais nós mesmos, mais aberto ao outro; assim,  juntos,  podemos caminhar na direção de uma  espiritualidade nova para um tempo  novo, ou seja , uma espiritualidade que nos faz discípulos de Jesus.

O segundo pensamento, a teologia  do advento recorda a dimensão histórica da salvação, confirmando a promessa e a aliança feitas com povo de Israel ( Jr 33,14). Jesus encarna  e se torna presença salvífica na história. Também recorda  que o Deus da revelação, aquele que é, que era e que vem.  Além disso, o  caráter  missionário manifesta o anúncio do reino e sua acolhida pelo coração do homem até a manifestação gloriosa de Cristo. Portanto, advento é a realização do tão esperado Dia do Senhor, preanunciado pelos profetas  Isaías,   João Batista e Maria.  São exemplos concretos  de missionariedade para  cada   cristão, quer  preparando o caminho do Senhor, quer levando o Cristo ao irmão para o santificar.

Em terceiro lugar, temos oportunidade de pensar com o coração. Preparamos para celebrar a manifestação do  amor de Deus por nós. Preparamos a festa da vida. Vamos comemorar um mistério tão divino que quase não ousaríamos acredita-lo, se a fé não nos garantisse: Deus amou tanto o mundo que entregou por ele seu Filho único. Que  beleza!  Deus não está longe. Tornou-se um de nós!  Ter consciência  disso,  é ficar maravilhado e não ter mais palavras para expressar. Diz são Bernardo” : o estábulo e a manjedoura gritam o amor  daquele  que tanto nos amou.”

Assim sendo, a espiritualidade desse tempo convida a confiar, a abandonar-nos inteiramente no Senhor. Impulsiona a reviver a alegria, a solidariedade, a vigilância, a esperança, o desapego e a conversão.  Somos conduzidos de modo incontornável ao cuidado da vida frágil. Oxalá , possamos acolher  e viver bem este tempo  de graça que  Deus nos oferece!

 

Padre José Cisneiro Seabra Ramos

Deixe um comentário