Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil

Qual a importância da história de Nossa Senhora Aparecida em sua caminhada vocacional?

Não vejo outro modo de responder a esta pergunta sem falar da importância dos missionários redentoristas e o bonito trabalho de evangelização realizado através da Rádio Aparecida, recordando ainda dos tempos do rádio à pilha; sobretudo escutando o Padre Vítor Coelho, hoje Servo de Deus a caminho da beatificação, pois, como muitos sabem, sou natural do Norte de Minas, da Diocese de Januária. Pela escassez de padres, naquela época, havia poucas celebrações eucarísticas e, sendo assim, pelas ondas do rádio, podíamos acompanhar a Santa Missa em nossos lares. Com o passar dos anos, o então bispo diocesano Dom Anselmo Muller (MSF), de saudosa memória, designou um padre para Pedras de Maria da Cruz, onde eu residia com minha família e, com a chegada do Padre Manoel, foi criada a Quase Paróquia Imaculada Conceição. Então, a partir disso, este padre me chamou para ser seu coroinha e com ele aprendi a amar ainda mais a Virgem Maria e, de modo especial, com o título de Nossa Senhora Aparecida. Chegando em Juiz de Fora, no centro vocacional Imaculada Conceição, tive como formador o então Padre João Justino de Medeiros Silva, hoje arcebispo metropolitano de Montes Claros, que me incentivou a participar do Encontro de vocacionados e vocacionadas negros. Nesses encontros dava-se ênfase à devoção à Nossa Senhora Aparecida. Tal devoção, que me acompanha desde criança, vem sendo cada vez mais cultivada e amadurecida no exercício de meu ministério sacerdotal. Acompanhei a pastoral afro por três anos aqui na Arquidiocese de Juiz de Fora, onde aprendi ainda mais, com o povo negro, o valor e o significado da devoção à Virgem Aparecida. Tive a graça, a pedido de nosso Arcebispo Dom Gil Antônio Moreira, de trabalhar, por um curto período, na Paróquia Nossa Senhora Aparecida aqui em Juiz de Fora, no Bairro que tem seu nome dedicado à Senhora Aparecida. Nesta igreja está a imagem que percorreu as paróquias da Arquidiocese por ocasião dos 300 anos da pesca a imagem que hoje é venerada no Santuário Nacional de Aparecida.

Como devemos agir para sermos verdadeiros filhos e filhas da Mãe Aparecida?

A imagem encontrada no Rio Paraíba do Sul (1717), em sua origem, tratava-se de uma imagem originalmente branca, pois representava a Imaculada Conceição e, devido à sua permanência nas águas do rio, apresentou-se, então, de cor negra. Por se tratar de uma imagem da Imaculada Conceição, representa a Virgem Maria grávida, trazendo em seu seio o Salvador, Jesus Cristo, Senhor nosso. Em toda a sua vida, Maria aponta para o seu filho Jesus. Seremos nós, de fato, seus filhos e filhas, sendo discípulos-missionários de Cristo.

Como o povo brasileiro se prepara para a festa da Padroeira da Nação?

A festa de Nossa Senhora Aparecida é esperada todos os anos com grandes expectativas e grande alegria. De modo especial, tal preparação é intensificada com a novena, que acontece de 3 a 11 de outubro, quando os lares brasileiros se transformam em verdadeiros santuários Marianos. Ainda mais que, de maneira providencial, celebra-se na Igreja o dia do nascituro no período da novena da Mãe Aparecida. Sendo assim, somos lembrados de que a vida deve ser defendida desde seu início até o seu fim natural. Pedimos, em especial, neste tempo oportuno, à Mãe Aparecida, que interceda pelas crianças, cujo dia é comemorado sob a materna proteção da Mãe do Salvador.

Considerações finais

A pandemia impôs, no Brasil e no mundo, uma dura realidade de sofrimentos, lágrimas e dor. Por isso, recorremos à Mãe Aparecida, a fim de que liberte, com sua poderosa intercessão, o Brasil e o mundo desta realidade sofrida da pandemia e desperte em nossos corações o cuidado para com todos os sofredores, em especial os enfermos e necessitados. Rogo à Nossa Senhora Aparecida, Rainha e padroeira do Brasil, que interceda por você e seus projetos, sua missão e sua vocação; e que venha sobre você e sua família, pelos merecimentos da Mãe Aparecida, trazendo a saúde do corpo e da alma, trazendo paz aos lares, a bênção de Deus Todo-Poderoso, Pai, e Filho, e Espírito Santo. Amém.

 

José Domicío Ferreira da Silva nasceu em 28/03/1969, na cidade de Pedras de Maria Cruz – MG. Em 05/05/2001 foi ordenado sacerdote, é pertencente ao clero da Arquidiocese de Juiz de Fora – MG.
Atualmente é  Formador da Comunidade de Teologia do Seminário Arquidiocesano Santo Antônio.

Deixe um comentário